quarta-feira, julho 26

Damn And in Love Cap 6 - Caitlin Beadles


              
Pv’s Juliah D. Davis

-“ Desta vez tudo vai ser diferente” aquela voz sussurrou no meu ouvido e no mesmo instante eu abri os olhos me deparando novamente sozinha no quarto, já era de manhã, os pássaros cantavam lá fora...me direcionei até a janela do quarto, bem que dizem...

“Depois da tempestade vem a calmaria” suspirei pensando nas hipóteses que me levam a acreditar que eu esteja louca... Tudo vai ser diferente? Tudo o que? Desta vez? Tentava achar alguma resposta que se encaixasse no contexto mais acontecia como sempre acontece... um turbilhão de pensamentos que sempre acabam nada.

- Bom dia meu amor! Mamãe interrompe meus pensamentos adentrando o quarto olho para a mesma com uma cara de interrogação mais ela fala antes que eu pudesse questionar a felicidade imensa que ela aparentava - tenho uma boa notícia... e uma não tão boa... mais foca na boa notícia - sorriu tentando me animar, fui em sua direção e a abracei e sem entender nada ela me correspondeu e começou a afagar meus cabelos e sem mais de longas eu desabei como uma nuvem carregada num dia ensolarado.

- Calma meu amor... vai ficar tudo bem... eu entendo a confusão que tudo está... mais olha o Dr. Jeremy disse que você pode voltar para casa... - olhei para ela sem entender, ela limpou meu rosto e voltei a abraçá-la seguido de longos suspiros...
  
Como ele pode? Eu me abri para ele e disse tudo o que eu sentia e ele simplesmente diz uma coisa para me confortar e me dá alta?  Como se nada estive-se acontecido... fomos interrompidas por batidas na porta e um "posso entrar", desfiz o abraço e voltei a cama, mamãe abriu a porta e Clay adentrou com um buque farto com minhas flores preferidas em mãos... Sorri logo ao vê-lo ele estava acompanhado de uma garota linda um pouco familiar, de cabelos longos, pele branquinha e esbanjava simplicidade.

- Maninha como você está? - Disse me abraçando apertado.
- Nem parece que brigam 24 horas por dia quando estão juntos -  mamãe comentou a garota riu o que me deixou intrigada já que ela e todos aqui estavam falando português.
- Que engraçadinha - falamos junto revirando os olhos como de costume, todos ali presentes riram - Então deixa eu te apresentar uma Amiga... -Falou dando ênfase no "Amiga" dei risada entendendo o recado - Essa é Caitlin Beadles e Cait essa e minha irmã Ju.
- Muito prazer Ju, seu irmão fala muito de você. - Ela beijou meu rosto e me entregou as flores.
-Prazer e meu Caitlin- sorri para ela que correspondeu o mesmo
- Muito obrigado pelas flores, as minhas preferidas... você me parece familiar.
- Ah.... Eu já estive muito no Brasil, quem sabe não tenha me visto na rua...um dia - ela respondeu como se estivesse inventando uma desculpa, ignorei meu pensamento, eu ando tão paranoica... - As flores são em meu nome e de minha família, que bom que acertamos na escolha - ela sorriu simpática peguei o cartão e li.

“ Melhoras querida, estamos ansiosos para conhece- lá. 
By Família Beadles e seus vizinhos próximos" 

Entrei em transe quando senti o perfume que exalava do cartão.. Um perfume tão familiar e no mesmo instante me pego pensando como pode um cartão tão simples despertar tantos sentimentos? Sai do transe quando percebi que todos estavam me olhando.
-Ah desculpe eu estava.... Pensando - sorri forçado -Eu adorei, muito obrigado Cait nem sei como posso agradecer. - ela pegou minha mão de uma forma carinhosa e quase que num suplico disse
- Quer mesmo agradecer? Fique boa logo... E não se torture pelo que você não entende...-Sorriu sem mostrar os dentes eu fiquei sem reação alguma diante do que ela tinha acabado de dizer.
- Então acho que você precisa comer alguma coisa, a gente vai indo né Cait -  ela apenas assentiu e eles deram tchau e foram embora.
- Então que tal tomar um banho, enquanto a enfermeira não traz o seu café - minha mãe quebrou o gelo assenti e fui para o banho, não demorei muito e sai, botei a roupa do hospital limpa e sai do banheiro me deparando com a enfermeira acompanhada de mais 2 enfermeiros.
- Bom dia Juliah, como passou o resto da noite? Perguntou a enfermeira checando a paleta de informações
- Foi normal...eu dormi tranquila. -Voltei para cama 
- Hm.. Vejamos bem, Dr. Jeremy pediu para que realizássemos uma bateria de exames em você, depois disso você poderá tomar seu café da manhã e aguardar até que ele venha dar a alta, tudo bem?
- Tudo bem por mim... - ela assentiu e me ligou a uns aparelhos e logo depois os enfermeiros me direcionarão para uma sala e a enfermeira ficou falando com minha mãe.

Algumas Horas depois...

Fiz todos os tipos de exames possíveis, e eu estou quase desmaiando de fome, fui encaminhada para o quarto já passavam das 11 horas e pelo jeito esse café vai virar almoço, estava sentada na cama passando de canal em canal tentando achar alguma coisa interessante na TV para me distrair, mais nada que me chamasse atenção o suficiente para calar meus pensamentos
“ NÃO SE TORTURE PELO QUE VOCÊ NÃO ENTENDE...” ela falou como se soubesse de alguma coisa, e mais um nó se forma na minha cabeça. Talvez ela tenha razão... pensando bem são só coisas que eu não entendo... não é tão ruim assim... É como uma matéria que eu não entendi e talvez só precise de um reforço.

- Hurrun!   – Alguém pigarreia chamando minha atenção – Seu almoço – era a enfermeira com uma bandeja trazendo comida, definitivamente essa gente não sabe o que é sal.
- Você tem alguma ideia de que horas o Dr. Jeremy vem me dar alta? – Perguntei dando uma colherada na comida, ela apenas olhava como se soubesse que eu estava odiando tudo aquilo.
- Ele faz o plantão da noite, acredito que aí por 19 horas ele venha conversar com você e seus pais, agora coma tudo e depois estará liberada para ir no jardim – comi tudo ela pegou a bandeja e saiu, não acredito que vou ter que esperar até a noite, me conformei então decidi ficar no quarto e dormir um pouco.

Acordei com algumas vozes no quarto, meus pais e o Dr. Jeremy conversavam um assunto qualquer até que notarão que eu havia acordado e se aproximarão da cama.
- Oi Dorminhoca – Meus pais pronunciarão junto
- Oi Juliah, vejo que já está bem melhor – Dr. Jeremy comentou dando um leve e rápido sorriso
- Pois é.... então veio me dar alta?
- Sim e não - meus pais rirão – bem eu vou assinar a sua alta, mas a gente conversou e achamos melhor você ficar mais esta noite em observação até que os resultados dos exames fiquem prontos amanhã de manhã, Okay?

Não respondi nada apenas assenti, não entendo mais nada.... Uma hora querem que eu volte para casa aí do nada concordam de me deixar aqui? Parece que não sou só eu que estou louca.
Quando me dei conta Dr. Jeremy ia saindo do quarto então eu gritei.

- Pelo menos eu posso comer comida de verdade? - Ele deu uma gargalhada, olhou para mim e fez sinal de positivo e fechou a porta
Comemorei e meus pais rirão
- Então está esperando oque para ir no Mc?
- Eu sou eficiência, já fui meu amor – mamãe respondeu se gabando, entregando a sacola com meu lanche, comi tudo enquanto eles conversavam.
- Tinha me esquecido de como era bom comer – comentei terminando de me deliciar, eles gargalharão ficamos conversando por longas horas até que meu pai levantou e se despediu de mim e de mamãe, pois já estava bastante tarde.

Mamãe iria posar comigo então dei espaço e ela deitou- se na cama acariciou os meus cabelos até adormecer eu não dormiria tão cedo já que dormi bastante a tarde.

Já eram passadas 1 e meia da madrugada e lá estava eu... trocando os canais impacientemente na expectativa de achar alguma coisa interessante na Tv, deixei em qualquer canal, me levantei cuidadosamente para não acordar minha mãe, calcei meu chinelo e peguei um casaco, sai pé por pé até chegar nos corredores... andei ligeiramente pois se me pegam perambulando essas horas vão me fazer voltar para o quarto, e isso e o que eu menos quero.

Não demorou muito e cheguei ao meu destino, era um jardim muito bem cuidado... com uma arvore linda e grande, tinha flores, bancos, mesas de xadrez, não tinha muita iluminação e isso era perfeito, uma brisa leve e fria, botei meu casaco e me deitei num dos bancos, fiquei observando brevemente por longos minutos talvez até horas... até escutar um barulho vindo do topo da arvore, encarei a mesma e parecia que alguém estava me observando, alevantei-me com um pouco de receio e me aproximei da arvore... Quase lá.. Quando alguém pega meu ombro no mesmo momento pulo de susto que me tirou o folego.



- O que você está fazendo aqui, essas horas? – Questionou olhando fixamente para topo da arvore. 





Hey Girls Passei do prazo, mais está ai. J
Como prometido Cap bem grande, Será mesmo que tinha alguém na arvore? 
   Quem será?    
#Continua?  


 Quer continuar imaginando? Faça uma visitinha nos blogs da campanha Salve os Blogs
Fanfics para todos os gostos :)
 Boa leitura ! 


domingo, julho 16

Revenge Cap 1 - "Filha da máfia"


PV'S Carie Lucania

"Dizem que Deus escreve reto por linhas tortas, pois é eu acostumava acreditar nisso a muito tempo atrás... antes de receber a cabeça de minha mãe numa caixa a 13 anos atrás quando eu tinha apenas 06 anos de idade antes disso eu acreditava em tudo...

Hoje eu acredito também... com todas as minhas forças acredito...  Mais é na vingança."

Meu nome é Carie Lucania mais conhecida como ” A filha da máfia italiana “, tenho 19 anos e atualmente moro na Itália ...
Meu pai Salvatore Lucania mais conhecido como Charlie “Lucky” é o atual chefe da máfia italiana e apesar dos pesares eu o Amo e faria tudo por ele.

Minha mãe foi morta quando eu tinha 6 anos... foi torturada fisicamente e sexualmente... foi decapitada e o cretino ainda mandou a cabeça dela de presente.

Desde então venho me preparando dia a pós dia para seguir o meu destino e cumprir os mandamentos da máfia, venho me preparando para ser fria, calculista e capaz de tudo.

Dia após dia alimentando cada vez mais a minha sede de vingança e finalmente eu estou preparada.... Para fazer aquilo que eu nasci para fazer...
Ele vai pagar todos os que estiverem envolvidos vão pagar...  Em poucos anos terei uma coleção de cabeças penduradas na parede do meu escritório ou não me chamo “A filha da máfia” 

Estou no aeroporto esperando meu pai que chega em poucos minutos de Chicago E.U.A ele não perderia por nada o meu juramento oficial hoje vai ser o dia em que eu vou ser oficialmente a próxima para a presidência e meu pai como todo pai orgulhoso tinha que estar presente.  
Logo o jatinho pousa e as portas se abrem... ele sempre deslumbrante, não hesita qualquer oportunidade de esbanjar luxo.

  • - Mia figlia sempre bella- diz ele em italiano vindo ao meu encontro me abraçar
  • - Mio padre sempre esbanjando- disse em italiano rindo, nos abracemos.
  • - como você está grande filha, - ele falou espantado ri de seu comentário.

Entramos no carro continuando a conversar, tínhamos muitas coisas para conversar fazia mais de anos que ele não vinha para Itália.
  • - como você está?
  • - Estou bem, e você muito ansiosa para o juramento? Falou com receio de que eu pudesse mudar de ideia
  • - Estou muito bem, estou muito ansiosa.... Fica tranquilo pai não a nada que me faça mudar de ideia. Notei que ele ficou aliviado após eu ter dito isso.

Fomos o caminho inteiro conversando coisas aleatórias... 30 min depois chegamos a mansão.
  • - Tinha me esquecido como é confortável estar definitivamente em casa- ele falou entrando em casa dei risada os seguranças e os empregados lhe deram boas vindas
  • - Eu vou subir me aprontar – anunciei enquanto ele tomava par das coisas
  • - tudo bem filha.

Subi para meu quarto tomei um banho bem demorado.
Fui ao closet peguei uma lingerie, fiz meu cabelo num coque bem alto e grande, depois parti para minha maquiagem não poupei nem um pouco...os lábios vermelhos como sangue e os olhos negros como um posso... Botei um vestido longo de veludo vermelho com uma fenda onde mostrava minhas belas pernas, botei um salto nude, Botei minha arma cromada em ouro na perna, Borrifei meu perfume e pronto.

Eu estava um espetáculo de mulher... estava na hora.. 
Desci as escadas e meu pai me aguardava no topo da mesma com um sorriso de orelha a orelha.
  • -Está linda! Nem parece aquela menininha chorona de antigamente – riu lembrando
  • - hahaha muito engraçadinho seu comentário - revirei os olhos fazendo ele rir ainda mais
  • - vamos ? – Estendeu a mão para mim assenti e entrelacei nossos braços seguimos para a limusine rumo a festa de oficialização
 O caminho todo foi silencioso e depois de 30 mi de trajeto chegamos ao local da festa tal que estava cheio de pessoas pois se ouvia o falatório. Meu pai abriu a porta e estendeu a mão eu segurei- a e o acompanhei rumo a entrada...
  • no caminho – você tem certeza de que é isso que você quer? Você sabe que depois que entrar é eterno- me alertou eu suspirei fundo
  •  – Eu tenho certeza pai- finalizei aquela conversa.

Muitos olhares e cochichos... não faz 10 min que chegamos e já estamos rodeados de interesseiros querendo fazer amizade ou querendo alguma coisa eles sempre querem...
Eu estava sozinha na pista de dança esbanjando felicidade até que alguém chega por traz logo eu já puxo a arma e todos param.
  • -hey calma ai – disse se rendendo 
  • - Você não tem mesmo amor a vida - bufei guardando a arma e todos voltarão ao que estavam fazendo.
  • - Estava só testando seus reflexos – me ofereceu um copo de whisky já vazio por conta de que ele derrubou tudo no susto
  • - Da próxima vez eu atiro idiota- peguei o copo e fui ao bar encher de novo ele veio de atrás Alexander sempre atrapalhado chega a dar dó ri pensando
  • - Atire.... Quero ver onde você iria arrumar outro treinador que nem eu –piscou para mim se gabando – por falar em tão bom quanto eu e o senhor Lucky? – Fez um cara de curiosidade
  • - Meu pai está conversando com os aliados – apontei para o lugar mais afastado onde ele estava rodeado de puxa sacos tomando whisky.

Fomos interrompidos por Alex que me pegou pela mão me puxando para um lugar mais afastado até um porão com poucas luzes e ao meu redor estava cheio de pessoas que eu conhecia será? Será agora?
  • - Vamos dar as boas-vindas a nossa futura presidente! - Meu pai anunciou e todos juntos me saudaram com um bem-vindo em Italiano
  • - Mais primeiro... ela terá que se mostrar digna a presidência...
  • - Eu sou digna da precedência e junto com todos os membros aqui presente jurarei honrar o nome da família Salvatore e cumprir com todos os mandamentos e regras, juro cumprir com a minha palavra juro matar ou morrer por minha gente – anunciei fazendo o juramento em italiano, ergui a taça de vinho que continha sangue e bebi sem hesitar logo em seguida todos bridaram e tomaram a taça de vinho.

Estava feito... não podia mais desfazer e um sentimento de felicidade me tomava conta.... Eu sei é suicídio mais esse é o meu destino... todos estavam me parabenizando e elogiando e puxando o saco o que eu odiava, mais teria que me acostumar... logo estávamos todos aproveitando a festa
  • - Você me enche de orgulho – meu pai me abraçou – agora aproveite a SUA festa- saiu agarrado com duas prostitutas baratas

Homens pensei e revirei os olhos e fui curti a festa até amanhecer...
O sol nascia e eu dava boa noite ainda, meu segurança me trouxe para casa...

Logo subi não tinha bebido muito só estava com dor nas pernas e dor de cabeça...conheci tantas pessoas, é demais para a cabeça... tomei um banho relaxante e nem me vesti só me cobri com o lençol e capotei...


Hey Girls gostarão do primeiro Cap de Revenje ?
Continua?  
2 Comentários Please  J


 Quer continuar imaginando? Faça uma visitinha nos blogs da campanha Salve os Blogs
Fanfics para todos os gostos :)
 Boa leitura ! 

domingo, julho 9

Sinopse - Revenge




Vingança era tudo o que ela queria...
Mais como ela poderia adivinhar o golpe em cheio que o destino vinha a dar, ela estava tão preparada para tudo, estava preparada para matar, A sua vingança ela estava prestes a ter e teve.... Mais ela não se sentia nenhum pouco vitoriosa, não era tudo o que ela queria?
Tudo estava feito... não dava para voltar atrás.
A consciência á castiga e a verdade á cerca, o sentimento á magoa e não perdoa.
O destino nunca foi tão incerto, como ela se tornou assim? Tão manipuladora e nem percebeu que o feitiço viraria contra a feiticeira.
Meu primeiro amor, nem pude sentir mais já perdi.    


Em Breve... REVENGE 

Em breve tudo se encaixará e essa historia vai te levar a sempre querer ler mais e mais.. 
E sem perceber você estará tão envolvido na historia que fará parte dela.. 

Cap 5 - Your fault

PV'S Jeremy Bieber

Desde que sai daquele quarto e fui chamado na emergência. 
Não deixei de pensar constantemente na hipótese que ele havia visitado ela ou estado perto mesmo sendo por alguns poucos metros que sege, ele sabe o efeito que isto causa nela...

Eu disse para ele ficar longe, eu avisei que isso traria problemas...

Mais como todos os anos, ele nunca me escuta.... Parece uma criancinha birrenta sempre me contrariando.... Nem parece que tem a Idade que tem... 
  • - Dr. Jeremy? Oque faz aqui? Falou Rosália saindo do quarto de Juliah me tirando completamente dos meus devaneios.
  • - Ah.... Eu só vim checar se está tudo bem - respondi tentando parecer um pouco convincente
  • - Sim, ela está bem mais calma depois que o senhor sanou a tal “Duvida”... – respondeu com sinceridade e ao mesmo tempo um “que “de curiosidade pairava sobre seu tom de voz.
  • - Que bom que está tudo bem...  Eu vou indo chegar mais alguns pacientes – me virei indo em qualquer direção tentando fugir antes que ela fizesse mais alguma pergunta, sou péssimo com mentiras.
  • Ela riu e eu voltei a encara-la - Mas o seu plantão já acabou .... Você tem algum palpite, não é? Eu conheço esse olhar...
  • - Olha só e verdade...-disfarcei olhando o relógio -Nem vi a hora passar -dei um sorriso sem jeito- Eu sou Doutor, Sempre tenho que ter palpites... Mas bem já deu minha hora...vou indo, até amanhã.-  sai deixando a frase no ar..
Segui para a saída do prédio tirando o jaleco, passei na recepção fiz tudo o que tinha que fazer e fui rumo ao estacionamento, entrei no carro e no mesmo instante notei que não estava sozinho...




  • - Eu disse que era para você ficar longe dela...
  • -Eu sei, mais como eu poderia deixar ela sozinha, eu tinha que saber se ela está b..- interrompi..
  • - NÃO! Você quer mesmo saber se ela está bem? -Suspirei tentando achar algum resquício de paciência - não, ela não está bem, e se você quer mesmo saber o que você já sabe de cor e salteado...é tudo por SUA culpa - finalizei com um tom de ironia, ele não disse nada apenas assentiu, dei partida e fomos o caminho todo em silencio.

 Estacionei e antes dele sair do carro chamei sua atenção...
  • - Por que pelo menos uma vez você não tenta fazer tudo de um outro jeito um jeito diferente? Ele apenas deu as costas e foi embora pisando fundo, revirei os olhos e suspirei.

Sinceramente agora entendo por que ele foi expulso... dei partida indo para casa.

Em poucos minutos cheguei em casa, adentrei a mesma e fui cuidadosamente para o meu quarto, mais do que nunca precisava de um bom banho, mais aquele anjo dormindo calmamente na minha cama.

Me chamou atenção e fiquei longos minutos observando a mulher da minha vida dormir.... Tão calma e por um momento me coloquei no lugar dele, e entendi o que ele sentia, por que no lugar dele eu faria as mesmas coisas... não demorou muito para eu perceber... Erin estava com a cara toda amaçada, os cabelos bagunçados, me olhando com aqueles lindos olhos pequenos.
  • - Amor...? – Bocejou- O que você faz aí parado?
  • - Bom dia Querida, eu estava hipnotizado – Ela riu.
  • - Muito Bobinho Doutor Jeremy, que tal vir logo deitar comigo – disse dando um sorrisinho safado, correspondi o sorriso e pulei logo na cama enchendo- a de beijos e cócegas.
  • - PARAAA – Rindo muito então parei - Vai tomar banho logo, eca...exala doença – exclamou fazendo cara de nojo, e depois riu.
  • - Tudo bem! Tudo bem nojinho estou indo -  sai correndo antes que ela me jogasse os travesseiros.
Tomei um banho relaxante e demorado, botei uma cueca e um calção leve e fui para cama, Erin havia voltado a dormir toda descoberta, cobri a mesma e desci procurar alguma coisa para comer, comi uma coisa qualquer e subi descansar um pouco, o sol já estava dando “oi “ lá fora, adentrei o quarto e fui me deitar não demorou muito para meu olho pesar e  peguei no sono. 


Oi gente... eu sei ficou um Capitulo meio pequeno, mais o próximo eu prometo que vai ser mais longo J J  então o que vocês tão achando?  
Continua?
3 comentários para o próximo viu !  Bjus 

 Quer continuar imaginando? Faça uma visitinha nos blogs da campanha Salve os Blogs
Fanfics para todos os gostos :)
 Boa leitura ! 



sábado, julho 1

Avisos Importantes !!!



Olá Beliebers, venho através desse aviso dar avisos hehehehehe
Então queria esclarecer coisas como:
  • Que dia vou postar os capítulos?

Postarei as fanfics todos os Sábados ou Domingos.... Caso eu não puder postar eu deixo aviso, por que eu sei o quanto é chato você ter que entrar todo dia no blog ou na página, para ver se a abençoada postou ou não o próximo capitulo, então para ser bem organizada terei dia certo para postar.
  • Postarei mais fanfics?

Sim, vou postar e está sensacional já adiantando é criminal, então eu vou intercalar um domingo eu posto Damn and in Love e no outro eu posto a outra Fanfic.
  • Aceito críticas?

Sim, um bom escritor e cria com críticas construtivas.
  • Perdoem meus erros de português até por que eu odeio português e literatura.

  • E por último  e mais importante eu sei que é chato ter que ficar comentando mais com todo escritor precisamos saber que está tudo bem, se aquilo que você dedica horas escrevendo, pensando, aprimorando, está agradando os leitores... tudo precisa de motivação e minha motivação são os comentários eu quero interagir com vocês, eu me importo.

Se eu esqueci de avisar alguma coisa, ou se alguém tem alguma pergunta Manda haver nos comentários que eu responderei o mais rápido possível. 




Damn And In Love Cap 4 - reality?


Ouvia duas pessoas conversando, às vozes estavam um pouco distantes mais eu conseguia ouvir boa parte apesar de não entender nada pois falavam em inglês
  • (Desconhecido)-Então Dr..... Ela vai ficar bem?
  • (Desconhecido)- Sim senhor e senhora Davis, foi só um susto, mais ela sentira dores na cabeça de vez em quando devido a pancada.

Abri lentamente os olhos sentindo uma dor terrível....


Notei que estava num hospital, olhei para o lado e meu irmão Clay estava sentando na poltrona, parecia cansado.
  • (Eu) - O que aconteceu? – Falei meio rouca chamando atenção dele que levantou com uma expressão aliviada e pegou minha mão
  • (Clay) - Você sofreu um pequeno acidente... Como você se sente? – Logo mamãe interrompeu 
  • (Mãe) - Filha que susto você nos deu – me abraçou aliviada – como você se sente? - Perguntou preocupada.
  • (Eu) - E.... eu estou bem... Acidente? - Falei me inclinado mais não foi possível quanto mais eu me inclinava mais minha cabeça doía.... Uma enfermeira interrompeu...
  • (Enfermeira) - Desculpem mais o Dr. Jeremy pediu para que deixassem ela descansar. – Pediu educadamente e ficou aguardando na porta.
  • (Mãe) - Ok- mamãe beijou minha testa- Tenta descansar um pouco querida – saiu do quarto acompanhada de Clay.
  •  (Enfermeira)- Descanse – ordenou enquanto fazia aqueles procedimentos manuais, logo ela injeta alguma coisa desconhecida por mim no soro e sai do quarto fechando a porta, meus olhos vão pesando e a visão embaçando... só deu para ver um vulto sentado na poltrona antes que eu apagasse.

 
Horas depois...

Acordei no susto, estava bastante ofegante e suada ... estava trovejando muito lá fora, passei os olhos por todo o local na tentativa falha de ver quem estava sentado atrás da porta... mais não havia ninguém. Oque me fez pensar que... talvez eu tenha me enganado... ou por conta da batida na cabeça eu posa estar tendo alucinações...


Eu estava sozinha no quarto, estava uma terrível tempestade já era noite, olhei para o relógio e marcava 3 horas da manhã em ponto, como eu pude dormir tanto assim? Levantei e acompanhada do soro fui em direção a porta, abri a mesma e antes que eu pudesse pensar em sair do quarto apagou-se todas luzes. Só dava para enxergar as luzes vermelhas das placas de saída, continuei minuciosamente meu trajeto para achar alguém que possa me dizer se tudo isso é real ou se eu estou louca...
Poucos minutos depois as luzes se acenderão e antes que eu pudesse perceber eu já tinha esbarrado em alguém..

  • (Enfermeira) - Desculpe-me... – Mudou a expressão rapidamente -Devia estar no seu quarto Srta. Davis! Repreendeu a enfermeira estendendo a mão para me ajudar a me levantar.
  • (Eu) - Desculpas, fiquei com medo de ficar sozinha no escuro.... Cadê meus pais?

Ela riu debochadamente, não entendi qual a graça.

  • (Enfermeira)- Uma moça deste tamanho com medo de escuro? Fez uma careta e continuou a rir
  • (Eu) - Me diga você? Teria medo se visse coisas ou pessoas estranhas? Teria medo se sentisse que tudo o que você está vivendo se completa com seus sonhos? Ou melhor... se uma dúvida constante ficasse a todo momento na sua cabeça. – Ela me olhava incrédula
  • (Enfermeira)- Como as...- alguém pigarreia interrompendo e tomando nossa atenção completamente, um homem de jaleco branco engomadinho, sério – Dr. Jeremy – a enfermeira pronunciou, ele assentiu com a cabeça e ela saiu.
  • (Dr.) - Desculpe não me apresentei, sou Jeremy Bieber – estendeu a mão eu cumprimentei.
  • (Eu) - Oi eu sou Ju... - Me interrompeu
  • (Dr) - Juliah Dias Davis, eu cuido do seu caso.... Não pude deixar de ouvir a sua conversa com a enfermeira, e me deixou um tanto curioso... – Suspirei – Melhor voltar para o quarto – assenti e fomos  indo em direção ao quarto. 


  • (Dr) - Então qual é a dúvida que te atormenta? – Perguntou inocentemente
  • (Eu)- Tudo isso é real? .... Desde que eu me perdi na floresta eu fico me perguntando isso várias e várias vezes... – respondi fitando o chão – desde que eu ouvi aquela voz... exatamente como no meu sonho. – Olhei para ele que estava sem expressão, talvez confuso como eu estava
  • (Dr)- Bem... você está falando de alucinações?
  • (Eu)- Não sei... só tenho sentido coisas, visto coisas, vultos...  – Ele não falou nada mais a expressão dele diziam que ele sabia o que estava acontecendo comigo.

Logo chegamos na porta do quarto, ele abriu a mesma e eu entrei e fui me deitar, ele apertou o botão para chamar a enfermeira, que logo adentrou no quarto.

  • (Dr)- Rosália ligue os aparelhos a ela... e atualize o formulário. – Ordenou a enfermeira assentiu, ele pegou em minha mão como se estivesse me confortando e estava.
  • (Dr) - Vai ficar tudo bem, pela manhã iremos realizar alguns exames ok? – Assenti -  tudo é real – ele disse me confortando, suspirei aliviada e ele riu pelo nariz e convocarão ele na sala de emergência A 4 ele me desejou Boa noite e saiu apresado

Dei risada da ironia dele já está quase amanhecendo.
A enfermeira terminou seus afazeres e saiu do quarto, e foi inevitável que eu não adormecesse.



 Quem diria Dr. Jeremy hahaha é meio difícil de imaginar ele engomadinho, sério e de jaleco.
Mais o que será que ele concluiu.. Será que ele sabe de alguma coisa? Próximo capitulo promete hehe
 E aii continua?  5 comentários e eu continuo.... Obrigado por ler Bjos ! <3

 Quer continuar imaginando? Faça uma visitinha nos blogs da campanha Salve os Blogs
Fanfics para todos os gostos :)
 Boa leitura !